quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

O Carlos Fiolhais está muitas vezes errado, mas ele não sabe

 

O Carlos Fiolhais está muitas vezes errado; mas ele é das poucas pessoas que não reconhece o seu erro.

Escreveu ele:

“O cientismo ou cientificismo é uma doutrina filosófica que teve origem em França no séc. xix (o termo original é scientisme), que defende o primado, para não dizer mesmo a exclusividade, da ciência empírica na aquisição de conhecimento”.

Anticientismo - Uma entrada do "Dicionário dos Antis"

A correcta definição  (noção ) de “cientismo” é a seguinte:

Atitude intelectual que se desenvolveu a partir da segunda metade do século XIX e que concede um valor absoluto ao progresso científico”.

Depois, podemos adicionar o seguinte ao conceito de “cientismo”:

O cientismo concede à ciência o monopólio do conhecimento verdadeiro e atribui-lhe a capacidade de resolver progressivamente o conjunto dos problemas que se apresentam à Humanidade. A noção de cientismo foi fundada por Augusto Comte, com o Positivismo (o Positivismo, este sim!, é uma doutrina!, e não o cientismo).

Segundo Karl Popper, o cientismo é a crença dogmática na autoridade do método científico e nos seus resultados, que é totalmente errada porque dirigida contra o método crítico da ciência da natureza ou contra os grandes cientistas.

Portanto, o cientismo não se circunscreve à “ciência empírica” (como diz o Carlos Fiolhais) — até porque há positivistas que não são exclusivamente empiristas (por exemplo, Ernst Mach, ou mesmo o Bispo irlandês Berkeley, são dois exemplos de positivistas que não se reduzem ao empirismo), por um lado; e por outro lado, o cientismo abrange teorias ditas “científicas” que não são falsificáveis (princípio da falsificabilidade) , como por exemplo o conceito de “macro-evolução” neodarwinista, ou a teoria do Aquecimento Global Antropogénico, ou ainda a moderna “teoria de género” (Ideologia de Género).

Imagens que os me®dia portugueses não mostram

 

Entre 200 e 300 "refugiados", amigos do globalista psicopata Macron, pretendiam enriquecer a cultura nocturna parisiense invadindo (ontem) a Comédie-Française. Infelizmente a polícia impediu que tamanho enriquecimento cultural tivesse lugar.

 

Depois da Angela Merkel, Annegret Kramp-Karrenbauer (com licença!)

 

Alemanha, cidade de Hamburgo.

Um refugiado altamente qualificado, amigo da Angela Merkel, enriquece a cultura alemã com uma peça de teatro de rua.

Temos todos que dar graças à Angela Merkel, ao Macron, e agora à Annegret Kramp-Karrenbauer (Perdão! Peço desculpa!) pelo enriquecimento cultural que trouxeram à Europa com os "refugiados" altamente qualificados!

 

sábado, 15 de dezembro de 2018

Jean-Claude Juncker com uma grande crise de ciática

 

Com a aproximação do Inverno, e com agravante das festas de Natal, Jean-Claude Juncker tem tido umas crises agravadas de ciática.

 

O psicopata Macron não gosta de música

 

Dois cidadãos franceses cantavam na rua; a polícia do psicopata Macron não gostou da música, e desatou a bater.

E ainda dizem que o Salazar era mau...