sexta-feira, 3 de fevereiro de 2023

Imaginemos que a Catarina Martins chama o André Ventura de filho-de-puta …


imunidade parlamentar catarina martins web

… durante uma campanha eleitoral; e o paralamento não levanta a imunidade parlamentar da palhaça do Bloco de Esquerda, alegadamente porque a referida invectiva “foi proferida no contexto de confronto político-partidário, pelo que o levantamento da imunidade parlamentar teria a virtualidade de limitar o livre exercício do mandato parlamentar da senhora deputada Catarina Martins”.


catarina-martins-circo-webO que se passou (na passada Quarta-feira) no paralamento provou que o único partido de Direita, em Portugal, é o CHEGA; e ainda assim, está muito ao centro.

terça-feira, 31 de janeiro de 2023

O critério jurídico do semanário Expresso: “o Direito depende apenas das opiniões dos juízes”


Para o Expresso, as decisões jurídicas dependem exclusivamente das pessoas que as tomam — ou seja, o Direito não tem uma estrutura formal válida em si mesma.


expresso-direito-web


Isto significa que, para o semanário de Pinto Balsemão, o Estado de Direito — no sentido lockeano da “liberdade política” — depende exclusivamente das opiniões da classe política que pode, por exemplo, restringir arbitrariamente a liberdade do cidadão a qualquer momento e sob qualquer pretexto (como aconteceu com a política covideira das restrições de liberdade).

Ora, se as decisões do Tribunal Constitucional acerca de um determinado assunto, dependem apenas das opiniões dos juízes Manuel, Joaquim e Alberto, então segue-se que o Estado de Direito é apenas uma figura de retórica, e o Direito resume-se (por Zeus!) às contingências impostas pela lei da natureza, reduzindo o Direito ao facto — implicitamente isto significa a recusa do próprio Direito e em favor da violência, e da legitimação, em qualquer circunstância, da força bruta do Estado.

No “Górgias”, de Platão, a personagem Cálicles apoia a ideia (do Expresso) de que o Direito depende apenas da opinião do juiz todo-poderoso.

Adenda:

Pinto Balsemão tem feito muito mal à sociedade portuguesa. Talvez tenha chegado o tempo de nos vermos livre dele.

Que lhe pese a terra como chumbo.

sábado, 28 de janeiro de 2023

O campanário da Igreja Católica do Anselmo Borges


Antes do Concílio do Vaticano II, a Igreja Católica absolvia os pecadores; hoje, a Igreja Católica do papa Bergoglio absolve os pecados.


papa bergoglio absolve os pecados web


Contra a Igreja triunfante e a Igreja militante de antes do Concílio do Vaticano II, o novo clero da Igreja Católica do papa Bergoglio incorpora-se na Igreja claudicante, plenamente justificada pelo Anselmo Borges: sobre o campanário da igreja actual, em vez de uma cruz, o Anselmo Borges coloca um cata-vento.

O racismo brasileiro, de sentido único


Eu tenho imensa dificuldade em ler em brasileiro corrente e diglóssico: a língua (supostamente “portuguesa”) escrita adulterada e raiando o ridículo.

Porém, talvez o principal problema do brasileiro (em geral e salvo honrosas excepções), é o de que vê o mundo ao contrário, ou então exclusivamente a partir de uma determinada perspectiva enviesada — como é o caso deste artigo.

Diz-se, no artigo, que Donald Trump é “racista” porque critica o presidente do senado americano e a sua mulher, que é chinesa.

O brasileiro (em juízo universal) segue a linha ideológica WOKE americana: se criticas um negro, ou uma chinesa, és 'tomaticamente “racista”. Ou seja: a única raça cujos indivíduos podem ser criticados, é a raça dita “branca”; todas as outras raças estão isentas de crítica.


melania trump web


Porém, quando os me®dia e a Esquerda criticavam sistematicamente a mulher de Donald Trump, já não era racismo: era coisa justa.

Criticar uma mulher chinesa é “racismo”; criticar uma mulher europeia é “legal prá caralho”.


Nota: só agora me dei conta de que este artigo é uma tradução “googlesca” e abrasileirada (as traduções do Google saem em brasileiro) deste artigo do jornal esquerdopata POLITICO .

terça-feira, 24 de janeiro de 2023

Augusto Santos Silva é o dono do bordel “democrático”

Lembro-me de o CDS ter sido apodado pejorativamente de “direita conservadora” por Manuel Alegre, e no tempo de Paulo Portas; depois deste, veio a Assunção Cristas, e o CDS ficou domesticado pelas invectivas insultuosas, regulares e sistemáticas, de Isabel Moreira. Só faltou à Assunção Cristas pedir-lhe desculpa pelo facto da sua própria identidade.

Ora, como sabemos, nem no tempo de Paulo Portas e do seu amigo panisgas  Adolfo Mesquita Nunes, o CDS pertenceu à “direita conservadora”.

santos silva frenologia web

Agora, temos este animal a chamar de “extrema-direita” ao CHEGA.

  1. Defender aberta- e publicamente a família natural (a que G. K. Chesterton chamou de “triângulo de truísmos – pai, mãe, e filho”), parece ser agora da “extrema-direita”;
  2. pugnar pelos símbolos da Nação e da Pátria, passou a ser de “extrema-direita”;
  3. defender a coesão cultural e social da sociedade portuguesa através da limitação da imigração, passou a ser de “extrema-direita”.

Sem defender aqui a frenologia, há que convir, ainda assim, que as protuberâncias da caixa craniana da criatura em questão indiciam um psicopata de alto coturno — à semelhança dos ministros socialistas que agora já vão algemados para a tomada de posse.

tomada de posse ministros socialista web

E são estes filhos de uma grande puta que dizem que “o Chega é uma doença fatal para a democracia”.

domingo, 22 de janeiro de 2023

Em relação à Ucrânia, a Alemanha nem f*de, nem sai de cima


Desde o início do consulado de Angela Merkel, a governação da Alemanha tem-se comportado de uma forma imprevisível, cedendo facilmente às exigências ideológicas da extrema-esquerda e dos herdeiros do estalinismo na Alemanha.

É neste contexto de cedências políticas (por parte de Angela Merkel) a uma extrema-esquerda irracional, que as centrais nucleares foram eliminadas do solo alemão, o que colocou o país em uma posição de dependência extrema do gás da Rússia — não esquecer que a Angela Merkel foi militante da Juventude Comunista na ex-RDA (ver foto); a ideia segundo a qual Angela Merkel é de Direita só cabe na cabeça dos idiotas liberais que alimentam a utopia comunista.

Angela-merkel-comunista-meme-WEB

Foi a mesma Angela Merkel que, em 2015, abriu as portas da Alemanha a cerca de 2 milhões de imigrantes islâmicos, que transformaram a Alemanha em um dos mais inseguros países do mundo.

Quando Angela Merkel caiu em desgraça popular, o sistema político alemão (coordenado pela aliança entre a extrema-esquerda e os plutocratas, mantendo-se assim uma paz laboral) arranjou uma solução: Olaf Scholz, que não se distingue praticamente de Angela Merkel: é praticamente impossível saber a diferença política entre ela e ele.

freedom is bad web

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia, vimos a Alemanha com as calças na mão a tentar apaziguar Putin — convém dizer que a economia da Rússia é inferior à economia italiana.

Este apaziguamento da Rússia — equivalente contemporâneo ao apaziguamento do primeiro-ministro inglês Chamberlain em relação à Alemanha nazi — é absolutamente irracional se não o virmos sob a óptica da extrema-esquerda que se esconde, nos me®dia, sob uma capa de “liberalismo”.

olaf scholz web

O escudo humano pró Putin, na invasão da Ucrânia, é Olaf Scholz.

O que assistimos hoje, vindo da Alemanha, é deprimente: vemos uma grande parte do povo alemão a apoiar a acção bárbara de Putin, porque a elite política alemã (através de Angela Merkel) retirou à Alemanha a sua independência energética. Putin é visto hoje, por uma larga faixa da população alemã, como o salvador da Alemanha — graças a Angela Merkel e Olaf Scholz.